Postagem em destaque

Receba nossos Vídeos de Meditações Diárias.(Um vídeo por Dia)

Envie uma mensagem para nosso Whatsapp para ser adicionado em uma de nossas listas de transmissão, para receber todos os dias um ví...

Melhor a vida a dois

Melhor a vida a dois Dicas para o ca­sa­men­to, dentro de uma an­ti­ga pa­rá­bo­la.
por Pau­lo Pi­nhei­ro


PDF Imprimir E-mail


No fa­mo­so ser­mão do Mon­te, jun­to à praia da Ga­li­léia, Je­sus con­tou a pa­rá­bo­la dos Dois Fun­da­men­tos, ci­ta­da em Ma­teus 7:24-27. So­bre o ce­ná­rio da­que­le dia, pre­fi­ro pen­sar que Je­sus fa­lou da ba­se da en­cos­ta e fa­zen­do do re­cin­to um an­fi­tea­tro. As­sim fa­ci­li­ta­ria a acús­ti­ca e a  mul­ti­dão as­sen­ta­da mais aci­ma po­dia enten­dê-Lo me­lhor.

O Mes­tre abor­dou so­bre dois ti­pos de pes­soas, os sá­bios e os im­pru­den­tes. O que di­fe­ren­cia um ti­po do ou­tro – na pa­rá­bo­la – é a ati­tu­de de­les pa­ra com a cons­tru­ção de uma ca­sa. Um op­ta pe­lo ali­cer­ce na ro­cha; o ou­tro pre­fe­re cons­truir na areia. O sá­bio tem em vis­ta a es­ta­bi­li­da­de; o im­pru­den­te, a co­mo­di­da­de.

 O que is­so tem a ver com ca­sa­men­to?
Vo­cê per­ce­beu que, quan­do duas pes­soas ami­gas se en­con­tram, em ge­ral co­men­tam a res­pei­to do progres­so dos fi­lhos, e qua­se na­da tra­tam so­bre o ma­ri­do ou a mu­lher? Pa­re­ce que al­gu­mas pes­soas guardam den­tro de­las de­si­lu­sões so­bre a vi­da ma­ri­tal e su­bli­mam suas es­pe­ran­ças nos fi­lhos.
A pa­rá­bo­la de Je­sus tem mui­to a ver com ca­sa­men­to, por­que a fe­li­ci­da­de de ca­da uma das pes­soas casa­das de­pen­de em gran­de me­di­da do mo­do co­mo es­tão atuan­do co­mo cons­tru­to­res de sua “ca­sa” ou casa­men­to. Es­tão sen­do sá­bias ou im­pru­den­tes? Qual tem si­do o seu pa­pel co­mo ope­rá­rio na cons­tru­ção do ca­sa­men­to? Nes­se ca­so, a pa­la­vra ca­sa­men­to é mais apro­pria­da do que fa­mí­lia, por­que os fi­lhos cres­cem e vão em­bo­ra, e so­men­te o ma­ri­do e a mu­lher per­ma­ne­cem (ou as­sim de­ve­riam) até que a mor­te os se­pa­re.


Três di­men­sões da cons­tru­ção


O que vai de­ter­mi­nar o su­ces­so de um ca­sal na cons­tru­ção de sua ca­sa é a pos­tu­ra par­ti­cu­lar de ca­da um de­les em re­la­ção ao que es­tá no fu­tu­ro, no pre­sen­te, ou que fi­cou  no pas­sa­do.
Ve­ja­mos pri­mei­ra­men­te o fu­tu­ro. Po­de-se ter três ati­tu­des:

(1) A ex­pec­ta­ti­va de que vai sair ga­nhan­do com o ca­sa­men­to. Es­sa po­si­ção po­de ge­rar frus­tra­ções ou re­vol­ta con­tra o par­cei­ro.

(2) A sen­sa­ção de que vai sair per­den­do. Quem tem es­sa ex­pec­ta­ti­va em re­la­ção ao par­cei­ro es­tá mal, por­que qual­quer es­for­ço ou em­preen­di­men­to que rea­li­zar es­ta­rá  sem­pre acom­pa­nha­do do sen­ti­men­to de in­se­gu­ran­ça e fra­cas­so.

(3) A dis­po­si­ção pa­ra doar. Quan­do en­tre­ga­mos al­gu­ma coi­sa de li­vre e es­pon­tâ­nea von­ta­de, sen­ti­mos a sen­sa­ção de rea­li­za­ção e fe­li­ci­da­de. Es­se é o mo­de­lo que o após­to­lo Pau­lo en­con­trou em Cris­to: “Maridos, amai vos­sa mu­lher, co­mo tam­bém Cris­to amou a Igre­ja e a Si mes­mo Se en­tre­gou por ela” (Efésios 5:25).

Ve­ja­mos ago­ra as po­si­ções que se po­de to­mar com as coi­sas do pre­sen­te ou com aqui­lo que es­tá aconte­cen­do no dia-a-dia. Po­de-se agir de duas ma­nei­ras, en­quan­to se cons­trói: rea­li­zar uma obra de compe­ti­ção ou de coo­pe­ra­ção.

(1) A com­pe­ti­ção exis­te quan­do ca­da um dos dois quer de­mons­trar que sa­be fa­zer me­lhor do que o outro; que er­ra me­nos ou que não er­ra. A com­pe­ti­ção ge­ra ri­va­li­da­de e que­bra a har­mo­nia da­qui­lo que es­tá sen­do fei­to em con­jun­to. Ima­gi­ne um ca­sal pin­tan­do uma ca­sa: en­quan­to um re­sol­ve pas­sar na pa­re­de  tin­ta azul, o ou­tro sa­pe­ca o ama­re­lo; um op­ta por co­lo­car ja­ne­las de me­tal, e o ou­tro com­pra as de ma­dei­ra. A ca­sa po­de fi­car com­pos­ta de ma­te­riais de qua­li­da­de, mas cor­re o ris­co de per­der em es­té­ti­ca e be­le­za.

( 2) Quan­do – em vez de com­pe­ti­rem – exis­te coo­pe­ra­ção, am­bos pas­sam a  cons­truir den­tro dos mesmos pa­râ­me­tros. A ca­sa po­de­rá até fi­car sim­ples, mas ha­ve­rá dois fa­to­res fa­vo­rá­veis: a har­mo­nia e o sen­ti­men­to de par­ti­ci­pa­ção.

O ter­cei­ro tó­pi­co diz res­pei­to à ati­tu­de que o ca­sal tem pa­ra com as coi­sas que es­tão com­pro­me­ti­das com o pas­sa­do. Um dia des­ses vi­si­tei a cons­tru­ção de um ami­go e pas­sa­mos pri­mei­ro pe­las de­pen­dên­cias in­ter­nas; ele não dis­se na­da. Mas do la­do de fo­ra,  apon­tou  pa­ra uma das pa­re­des do ex­te­rior e dis­se: “Vou man­dar der­ru­bar o re­bo­co e fa­zê-lo de no­vo.” Aque­le pro­prie­tá­rio ti­nha duas po­si­ções em re­la­ção ao trabalho mal fei­to: es­que­cê-lo ou se dis­por a re­cons­truir o re­bo­co. As mes­mas al­ter­na­ti­vas qual­quer um de nós po­de ter em re­la­ção às coi­sas do pas­sa­do que não fi­ca­ram den­tro dos pa­drões.

(1) Es­que­cer. Por mais que al­guém se es­for­ce, é qua­se im­pos­sí­vel. Co­mo no ca­so da cons­tru­ção que cita­mos, to­das as ve­zes que um dos dois ba­ter os olhos no “re­bo­co” mal fei­to, vai lem­brar da bo­ba­gem feita no pas­sa­do.

(2) Re­cons­truir. Es­sa ati­tu­de po­de ser ca­rac­te­ri­za­da pe­lo ver­da­dei­ro sen­ti­men­to do per­dão. Assemelhase à dis­po­si­ção ho­nes­ta de der­ru­bar o “re­bo­co” mal fei­to e co­lo­car um ma­te­rial no­vo no lu­gar do an­te­rior. Is­so sem­pre dá mui­to tra­ba­lho, mas exis­te fe­li­ci­da­de no ato de re­cons­truir la­do a la­do com a pes­soa que se ama o que não deu cer­to no pas­sa­do.


Duas mo­da­li­da­des de so­lo


Quan­do vol­ta­mos nos­sa vi­são pa­ra a pa­rá­bo­la, ob­ser­va­mos que Je­sus tam­bém cha­ma a aten­ção dos ouvin­tes pa­ra os fun­da­men­tos da ca­sa. O im­pru­den­te cons­trói so­bre a areia e o sá­bio so­bre a ro­cha. E quan­do a tem­pes­ta­de so­pra, a ca­sa da areia de­sa­ba e a da ro­cha per­ma­ne­ce.

O Mes­tre en­si­nou que não de­ve­mos con­fun­dir fe­li­ci­da­de com a fal­sa sen­sa­ção de bem-es­tar.

Cons­truir na areia é prio­ri­zar a co­mo­di­da­de ou to­dos os ti­pos de con­for­to que  uma so­cie­da­de consumis­ta ten­ta fa­zer as pes­soas acre­di­tar se­rem in­dis­pen­sá­veis pa­ra a fe­li­ci­da­de. A pa­rá­bo­la ad­ver­te os ca­sais so­bre es­sa ques­tão, mos­tran­do que as coi­sas su­per­fi­ciais não re­sis­tem ao agua­cei­ro.

Cons­truir na ro­cha é prio­ri­zar a es­ta­bi­li­da­de. O ver­da­dei­ro bem-es­tar es­tá ali­cer­ça­do no bom sen­so dos ca­sais em re­la­ção ao fu­tu­ro, ao pre­sen­te e ao pas­sa­do.


Olhar pa­ra o fu­tu­ro com res­pon­sa­bi­li­da­de e ten­do dis­po­si­ção de en­tre­gar-se um ao ou­tro é o pri­mei­ro pas­so de uma re­la­ção que tem tu­do pa­ra du­rar. E, se por aca­so al­gu­ma coi­sa não der cer­to, o se­gre­do é perdoar e re­cons­truir com amor aque­le pe­da­ço “mal fei­to”. Va­le a pe­na pre­ser­var a har­mo­nia e a be­le­za do ca­sa­men­to. 


Paulo Pinheiro é Edi­tor da Casa Publicadora Brasileira
Fonte: Revista Sinais dos Tempos, 1999, Casa Publicadora Brasileira 

Fonte: Ministério da Família DSA
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...