Postagem em destaque

Estudos Bíblicos em vídeo para Whatsapp. Prontos para Baixar!

Estudos Bíblicos em vídeo com tamanho e formato adequados para compartilhamento via Whatsapp. Clique em cada Estudo para ser direciona ...

Melhor a vida a dois

Melhor a vida a dois Dicas para o ca­sa­men­to, dentro de uma an­ti­ga pa­rá­bo­la.
por Pau­lo Pi­nhei­ro


PDF Imprimir E-mail


No fa­mo­so ser­mão do Mon­te, jun­to à praia da Ga­li­léia, Je­sus con­tou a pa­rá­bo­la dos Dois Fun­da­men­tos, ci­ta­da em Ma­teus 7:24-27. So­bre o ce­ná­rio da­que­le dia, pre­fi­ro pen­sar que Je­sus fa­lou da ba­se da en­cos­ta e fa­zen­do do re­cin­to um an­fi­tea­tro. As­sim fa­ci­li­ta­ria a acús­ti­ca e a  mul­ti­dão as­sen­ta­da mais aci­ma po­dia enten­dê-Lo me­lhor.

O Mes­tre abor­dou so­bre dois ti­pos de pes­soas, os sá­bios e os im­pru­den­tes. O que di­fe­ren­cia um ti­po do ou­tro – na pa­rá­bo­la – é a ati­tu­de de­les pa­ra com a cons­tru­ção de uma ca­sa. Um op­ta pe­lo ali­cer­ce na ro­cha; o ou­tro pre­fe­re cons­truir na areia. O sá­bio tem em vis­ta a es­ta­bi­li­da­de; o im­pru­den­te, a co­mo­di­da­de.

 O que is­so tem a ver com ca­sa­men­to?
Vo­cê per­ce­beu que, quan­do duas pes­soas ami­gas se en­con­tram, em ge­ral co­men­tam a res­pei­to do progres­so dos fi­lhos, e qua­se na­da tra­tam so­bre o ma­ri­do ou a mu­lher? Pa­re­ce que al­gu­mas pes­soas guardam den­tro de­las de­si­lu­sões so­bre a vi­da ma­ri­tal e su­bli­mam suas es­pe­ran­ças nos fi­lhos.
A pa­rá­bo­la de Je­sus tem mui­to a ver com ca­sa­men­to, por­que a fe­li­ci­da­de de ca­da uma das pes­soas casa­das de­pen­de em gran­de me­di­da do mo­do co­mo es­tão atuan­do co­mo cons­tru­to­res de sua “ca­sa” ou casa­men­to. Es­tão sen­do sá­bias ou im­pru­den­tes? Qual tem si­do o seu pa­pel co­mo ope­rá­rio na cons­tru­ção do ca­sa­men­to? Nes­se ca­so, a pa­la­vra ca­sa­men­to é mais apro­pria­da do que fa­mí­lia, por­que os fi­lhos cres­cem e vão em­bo­ra, e so­men­te o ma­ri­do e a mu­lher per­ma­ne­cem (ou as­sim de­ve­riam) até que a mor­te os se­pa­re.


Três di­men­sões da cons­tru­ção


O que vai de­ter­mi­nar o su­ces­so de um ca­sal na cons­tru­ção de sua ca­sa é a pos­tu­ra par­ti­cu­lar de ca­da um de­les em re­la­ção ao que es­tá no fu­tu­ro, no pre­sen­te, ou que fi­cou  no pas­sa­do.
Ve­ja­mos pri­mei­ra­men­te o fu­tu­ro. Po­de-se ter três ati­tu­des:

(1) A ex­pec­ta­ti­va de que vai sair ga­nhan­do com o ca­sa­men­to. Es­sa po­si­ção po­de ge­rar frus­tra­ções ou re­vol­ta con­tra o par­cei­ro.

(2) A sen­sa­ção de que vai sair per­den­do. Quem tem es­sa ex­pec­ta­ti­va em re­la­ção ao par­cei­ro es­tá mal, por­que qual­quer es­for­ço ou em­preen­di­men­to que rea­li­zar es­ta­rá  sem­pre acom­pa­nha­do do sen­ti­men­to de in­se­gu­ran­ça e fra­cas­so.

(3) A dis­po­si­ção pa­ra doar. Quan­do en­tre­ga­mos al­gu­ma coi­sa de li­vre e es­pon­tâ­nea von­ta­de, sen­ti­mos a sen­sa­ção de rea­li­za­ção e fe­li­ci­da­de. Es­se é o mo­de­lo que o após­to­lo Pau­lo en­con­trou em Cris­to: “Maridos, amai vos­sa mu­lher, co­mo tam­bém Cris­to amou a Igre­ja e a Si mes­mo Se en­tre­gou por ela” (Efésios 5:25).

Ve­ja­mos ago­ra as po­si­ções que se po­de to­mar com as coi­sas do pre­sen­te ou com aqui­lo que es­tá aconte­cen­do no dia-a-dia. Po­de-se agir de duas ma­nei­ras, en­quan­to se cons­trói: rea­li­zar uma obra de compe­ti­ção ou de coo­pe­ra­ção.

(1) A com­pe­ti­ção exis­te quan­do ca­da um dos dois quer de­mons­trar que sa­be fa­zer me­lhor do que o outro; que er­ra me­nos ou que não er­ra. A com­pe­ti­ção ge­ra ri­va­li­da­de e que­bra a har­mo­nia da­qui­lo que es­tá sen­do fei­to em con­jun­to. Ima­gi­ne um ca­sal pin­tan­do uma ca­sa: en­quan­to um re­sol­ve pas­sar na pa­re­de  tin­ta azul, o ou­tro sa­pe­ca o ama­re­lo; um op­ta por co­lo­car ja­ne­las de me­tal, e o ou­tro com­pra as de ma­dei­ra. A ca­sa po­de fi­car com­pos­ta de ma­te­riais de qua­li­da­de, mas cor­re o ris­co de per­der em es­té­ti­ca e be­le­za.

( 2) Quan­do – em vez de com­pe­ti­rem – exis­te coo­pe­ra­ção, am­bos pas­sam a  cons­truir den­tro dos mesmos pa­râ­me­tros. A ca­sa po­de­rá até fi­car sim­ples, mas ha­ve­rá dois fa­to­res fa­vo­rá­veis: a har­mo­nia e o sen­ti­men­to de par­ti­ci­pa­ção.

O ter­cei­ro tó­pi­co diz res­pei­to à ati­tu­de que o ca­sal tem pa­ra com as coi­sas que es­tão com­pro­me­ti­das com o pas­sa­do. Um dia des­ses vi­si­tei a cons­tru­ção de um ami­go e pas­sa­mos pri­mei­ro pe­las de­pen­dên­cias in­ter­nas; ele não dis­se na­da. Mas do la­do de fo­ra,  apon­tou  pa­ra uma das pa­re­des do ex­te­rior e dis­se: “Vou man­dar der­ru­bar o re­bo­co e fa­zê-lo de no­vo.” Aque­le pro­prie­tá­rio ti­nha duas po­si­ções em re­la­ção ao trabalho mal fei­to: es­que­cê-lo ou se dis­por a re­cons­truir o re­bo­co. As mes­mas al­ter­na­ti­vas qual­quer um de nós po­de ter em re­la­ção às coi­sas do pas­sa­do que não fi­ca­ram den­tro dos pa­drões.

(1) Es­que­cer. Por mais que al­guém se es­for­ce, é qua­se im­pos­sí­vel. Co­mo no ca­so da cons­tru­ção que cita­mos, to­das as ve­zes que um dos dois ba­ter os olhos no “re­bo­co” mal fei­to, vai lem­brar da bo­ba­gem feita no pas­sa­do.

(2) Re­cons­truir. Es­sa ati­tu­de po­de ser ca­rac­te­ri­za­da pe­lo ver­da­dei­ro sen­ti­men­to do per­dão. Assemelhase à dis­po­si­ção ho­nes­ta de der­ru­bar o “re­bo­co” mal fei­to e co­lo­car um ma­te­rial no­vo no lu­gar do an­te­rior. Is­so sem­pre dá mui­to tra­ba­lho, mas exis­te fe­li­ci­da­de no ato de re­cons­truir la­do a la­do com a pes­soa que se ama o que não deu cer­to no pas­sa­do.


Duas mo­da­li­da­des de so­lo


Quan­do vol­ta­mos nos­sa vi­são pa­ra a pa­rá­bo­la, ob­ser­va­mos que Je­sus tam­bém cha­ma a aten­ção dos ouvin­tes pa­ra os fun­da­men­tos da ca­sa. O im­pru­den­te cons­trói so­bre a areia e o sá­bio so­bre a ro­cha. E quan­do a tem­pes­ta­de so­pra, a ca­sa da areia de­sa­ba e a da ro­cha per­ma­ne­ce.

O Mes­tre en­si­nou que não de­ve­mos con­fun­dir fe­li­ci­da­de com a fal­sa sen­sa­ção de bem-es­tar.

Cons­truir na areia é prio­ri­zar a co­mo­di­da­de ou to­dos os ti­pos de con­for­to que  uma so­cie­da­de consumis­ta ten­ta fa­zer as pes­soas acre­di­tar se­rem in­dis­pen­sá­veis pa­ra a fe­li­ci­da­de. A pa­rá­bo­la ad­ver­te os ca­sais so­bre es­sa ques­tão, mos­tran­do que as coi­sas su­per­fi­ciais não re­sis­tem ao agua­cei­ro.

Cons­truir na ro­cha é prio­ri­zar a es­ta­bi­li­da­de. O ver­da­dei­ro bem-es­tar es­tá ali­cer­ça­do no bom sen­so dos ca­sais em re­la­ção ao fu­tu­ro, ao pre­sen­te e ao pas­sa­do.


Olhar pa­ra o fu­tu­ro com res­pon­sa­bi­li­da­de e ten­do dis­po­si­ção de en­tre­gar-se um ao ou­tro é o pri­mei­ro pas­so de uma re­la­ção que tem tu­do pa­ra du­rar. E, se por aca­so al­gu­ma coi­sa não der cer­to, o se­gre­do é perdoar e re­cons­truir com amor aque­le pe­da­ço “mal fei­to”. Va­le a pe­na pre­ser­var a har­mo­nia e a be­le­za do ca­sa­men­to. 


Paulo Pinheiro é Edi­tor da Casa Publicadora Brasileira
Fonte: Revista Sinais dos Tempos, 1999, Casa Publicadora Brasileira 

Fonte: Ministério da Família DSA
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...