Postagem em destaque

Receba nossos Vídeos de Meditações Diárias.(Um vídeo por Dia)

Envie uma mensagem para nosso Whatsapp para ser adicionado em uma de nossas listas de transmissão, para receber todos os dias um ví...

Meditação para o Pôr do Sol, 04 de outubro 2013


O preço da dúvida
Pois o que duvida é semelhante á onda do mar, impelida e agitada pelo vento. Tiago 1:6


Apesar de ter uma vida profissional nem sucedida e uma família maravilhosa, eu não era plenamente feliz; faltava alguma coisa no relacionamento com Deus. Aceitava todas as doutrinas da igreja, mas era resistente à do dizimo. No fundo, eu tinha consciência de que deveria devolver, mas me consolava com a ideia de que não sabia a quem. "No passado", pensava, "o dizimo era devolvido ao sacerdote, e hoje?" Essa duvida me atormentava e passeio muito tempo preocupado com isso. Às vezes, tentava administrar o dizimo do meu jeito, doando para projetos da igreja, obreiros bíblicos, programas de rádio; outras vezes, dava aos pobres; apesar disso, não conseguia ficar em paz. orei por uns dez anos pedindo: "Senhor, mostra-me o jeito correto de dizimar é este que a igreja sugere: Trazer o dizimo a casa do tesouro. onde é essa casa do tesouro?", me perguntava.
Minha experiencia com Deus foi se aprofundando, então pedi: "Senhor, revela-me, por favor, qual é o jeito certo de dizimar." A resposta de Deus foi impressionante. Tenho uma fazenda de gado. Certo dia, vendi um lote de 150 bois; então, comentei com o encarregado da fazenda que o dízimo da venda correspondia a 15 bois. Ele retrucou:
  - Mas, seu Rosalino, 15 bois? Pra quem?
 - É lá para a igreja, para o pastor.
 - E o senhor vai dar?
 - Talvez, estou pensando.
 - Duvido que o senhor vai dar.
No dia seguinte, quando saí com meus dois filhos para irmos à cidadezinha que fica a dez quilômetros da fazenda, observei à esquerda 11 reses mortas embaixo de uma rede de alta tensão. Fiquei pensando: "Por que essas 11 reses morreram aqui embaixo dessa rede, se elas nunca param aqui?" Os fios haviam caído sobre elas e as matado. Aquilo me deixou revoltado e eu disse ao meu peão, Ari: "Onze reses do dízimo já foram, faltam só quatro¹" Na mesma noite, morreram três bois. Contei desafiando a Deus e disse ao meu peão: "Olha aí, falta agora apenas uma rês."
  Por acaso, naquela noite estava caminhando com ele, e qual não foi a nossa surpresa quando encontramos a outra rês morta! Todas elas tinham sangue saindo pelos poros. Fiquei impressionado com aquilo. Chamei o veterinário e ele levou o sangue e o cérebro para análise, mas os exames não deram nada, nem picada de cobra, nem doença contagiosa, nada. Fiquei extremamente impressionado. Seriam essas as 15 reses a que eu zombeteiramente me referi como sendo o dízimo da venda dos bois? Fiquei angustiado naquele dia. À noite, acordei e orei várias vezes: "Senhor, me revela, por favor; não suporto mais essa situação de estar convivendo com a igreja, aceitar todas as doutrinas e ter essa pendência em minha cabeça e essa tormenta no coração." Quando virei para o lado, um ser alto, de uns três metros de altura, uma pessoa linda olhou para mim e disse: "Rosalino, as coisas de Deus são santas; você precisa entender e respeitar. Você não é obrigado a devolver o santo dízimo, mas precisa respeitar as coisas de Deus!" Naquele momento, acordei e virei para olhar, mas não vi ninguém. Tenho certeza de que Deus me revelou por meio do sonho o privilégio que nós humanos temos de partilhar com Ele um pouco do tanto que Ele nos concede.

Rosalino Bozo
Igreja Adventista Central de Campo Grande, MS (UCoB)
Fonte:M.M da DSA. Enfim, o Sábado chegou.1ªedisão
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...