Postagem em destaque

Estudos Bíblicos em vídeo para Whatsapp. Prontos para Baixar!

Estudos Bíblicos em vídeo com tamanho e formato adequados para compartilhamento via Whatsapp. Clique em cada Estudo para ser direciona ...

Meditação Matinal Quarta, 15 de maio 2013

Separação do Mundo

Saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e Eu vos receberei. 2 Coríntios 6:17


Eis aqui uma promessa para nós sob a condição de obediência. Se sairmos do mundo e nos separarmos, e não tocarmos em nada imundo, Ele nos receberá. Eis aqui as condições de nossa aceitação para com Deus. Temos uma parte a desempenhar. Eis aqui uma obra a ser realizada por nós. Devemos mostrar nossa separação do mundo. A amizade com o mundo é inimizade para com Deus. É impossível sermos amigos do mundo e ainda estarmos unidos com Cristo. Mas o que significa ser amigo do mundo? Significa estar de mãos dadas com aqueles que são do mundo, desfrutar do que desfrutam, amar o que amam, sair em busca do prazer, da satisfação própria e seguir as próprias inclinações. Ao seguirmos nossa inclinação, não temos afeições para com Deus; amamos e servimos a nós mesmos. Mas eis aqui uma grande promessa: “Saí do meio deles, e apartai-vos.” Separar-nos do quê? Das inclinações do mundo, seus gostos, seus hábitos; da moda, do orgulho e dos costumes mundanos. [...] Ao darmos esse passo, demonstrando que não estamos em harmonia com o mundo, a promessa de Deus é nossa. Ele não diz que talvez nos receberá, mas: “Eu vos receberei.” Trata-se de uma promessa certa.

Temos a certeza de que seremos aceitos por Deus. Ao nos separarmos do mundo, conectamo-nos com Deus; tornamo-nos membros da família real; tornamo-nos filhos e filhas do Senhor Todo-Poderoso – filhos do Rei celestial, adotados em Sua família, e temos ligação com o alto; unidos ao Deus infinito cujos braços movimentam o mundo.

Que magnífico privilégio é esse de sermos assim favorecidos, sermos assim honrados por Deus, sermos chamados filhos e filhas do Senhor Todo-Poderoso. Isso é incompreensível, mas, mesmo diante de todas essas promessas e estímulos, há muitos que questionam e hesitam. Assumem uma posição de indecisão. Parecem pensar que, ao se tornarem cristãos, receberão uma montanha de responsabilidades geradas pelos deveres religiosos e obrigações cristãs. Há uma montanha de responsabilidade, uma vida inteira de vigilância, de batalha contra as próprias inclinações, contra a própria vontade, contra os próprios desejos, contra os próprios prazeres; e, ao avaliarem essas coisas, parece-lhes impossível dar esse passo, decidir que se tornarão filhos de Deus, servos do Altíssimo (Signs of the Times, 31 de janeiro de 1878).


Fonte: CPB 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...